Nascido para Correr – Christopher McDougall (A experiência de descobrir uma nova vida)

“Não quero que ninguém faça nada a não ser correr, divertir-se, dançar, comer e comemorar conosco. A arte de correr não serve para fazer os outros comprarem produtos. É preciso liberdade, cara” – Frase atribuída a Caballo Blanco extraída do livro que dá título a esse post.

Comecei a correr, e sempre fui e sou de ler muito sobre qualquer tema que me agrade. Então, por meio de alguns blogs, conheci este livro. Confesso, nunca li nada que me motivasse tanto a correr. Nunca li nada que fosse de encontro ao que penso, de certa forma, que correr é algo tão natural que parece que fomos nascidos para isto.

O livro, de uma forma muito única, conta a experiência de uma ultramaratona “improvisada” por Caballo Blanco no méxico juntamente com a tribo – considerada os melhores corredores do mundo – dos Tarahumara.

Caballo Blanco, que tem melhor sua história contada no livro, era vegetariano –  infelizmente este ano, ao decorrer da leitura deste livre, vim a ler que ele faleceu – assim como Scott Jurek, que é vegan, o livro aborda bastante  sobre alimentação, como também a forma de correr, o minimalismo das corridas e, em minha opnião, depois que você ler esse livro, nunca mais vai comprar um Nike.

O grupo que participou desta corrida, chamado depois de Mas Locos, tem sua história contada, seus costumes, alimentação e principalmente, como corriam e quando começaram a correr.

Recentemente li também a um livro chamado: Guia completo de corrida de FIXX, James F, publicado em 1977 e, neste livro, como a diferente de até poruco tempo os tênis usados para correr. Por isso talvez, tantas dores. Mas, no livro Nascidos para Correr, esse tema é abordado de uma forma muito clara e que vai de encontro ao que imagino: Talvez os solados do Nike seja bom para alguma coisa, mas não para correr.

O livro comenta sobre correr descalços, o próprio autor assume que tem essa prática em seu sítio. Na foto acima, você tem o Barefoot Ted, que fez o percurso da prova narrada no livro, de pouco mais de 70 quilômetros com suas Five Fingers. (Nem todos os modelos de Five Fingers são vegan).

O livro comenta sobre competições, mas acima de tudo, fala sobre paixão, amor e respeito o que é demostrado e narrado ao final do livro quando a “grande maratona” acontece.

Se você ler, vai querer correr!!!!

 

 

New Balance Minumus MR10BG

Estou começando a correr. Durante as terças, 30 minutos de corrida sem se preocupar com a distância. As quintas, 8km.

Eu gosto de usar os tênis da New Balance, e para começar a correr resolvi usar o New Balance Mininus e gostei bastante. Se procurar, ou perguntar por ai, vai observar que existe  bastante divergências de ideias em relação ao modelo de tênis da New Balance: os que apoiam e os que discordam da maneira que é o tênis.

A opção de escolha, foi devido a proximidade ou semelhança que traz o modelo de estar correndo descalços. Com o recuo de 4mm  em relação aos demais modelos de mercado e, algumas mudanças na resposta da musculatura – já que o New Balance minumus, devido a este recuo, faz um trabalho muscular diferente o que acarreta que a New Balance recomende que seja introduzida aos poucos em suas corridas… outro ponto, é que a postura na corrida diminui lesões ao aterrissar no “meio-pé” – eu me senti confortavél e sem dores após um corrida rápida de 5km. Mas observe, eu ainda não corro tanto como gostaria, só estou começando além disso, estou mudando minha postura para aproveitar bem o tênis.

Mas, para mim que estou começando, espero que seja o que estou procurando em um tênis 😉

O vídeo abaixo, representa bem a ideia:

Este texto é  interessante também:

http://www.newbalance.com/performance/running/millimeters-and-midfoot-strike/

Bom, se você quiser me ajudar a melhorar minha opnião sobre esse tênis.. só comentar =D

Claro, antes de sair correndo, de uma olhada nesse link: http://www.newbalance.com/performance/running/good-form-running/